• finestrino

Dicas sobre a Turquia: o que você precisa saber antes de ir

Antes de ir pra Turquia eu tinha um montão de dúvidas sobre fazer turismo por lá. O país é super diferente para nós aqui, língua, cultura, comida… e sempre fica aquela pulga atrás da orelha “será que vou conseguir me virar lá?”. Mal voltei e um monte de gente já está perguntando tudo sobre as mesmas dúvidas que eu também tinha, então montei esse post com dicas práticas pra te deixar bem tranquilo, afinal, viajar pela Turquia foi uma baba!


Dinheiro

O que mais tinha dúvida sobre. Lá é usada a Lira Turca, que hoje em dia vale um pouco mais do que o Real (na cotação que peguei, R$ 1,16). A diferença é pouca e é fácil fazer os cálculos dos gastos.


A coisa é que aqui no Brasil não tem lira pra vender facilmente. Aqui em Curitiba ninguém tinha e se quiser levar um pouco desse dimdim já no bolso, vai ter que ver com amigos que recém voltaram. Caso contrário leve euros e se tiver guardado, um pouco de dólar. Digo isso porque alguns lugares e passeios podem sim ser pagos em dólares. Na verdade é uma miscelânea completa de conversões, pois sempre tem a cotação em lira, euro e dólar. É um pouco cansativo porque é muita conversão e tem que sempre ver em qual dinheiro vale mais a pena pagar x ou y coisa. É claro que as cotações mudam conforme o dia e conforme o lugar.


Então em resumo: leve mais euros, mas pode levar dólar também que dá pra usar. De qualquer forma vai precisar trocar um pouco para lira turca, pois alguns museus e lojas só aceitam a moeda local. Ah, cartão de crédito é bem aceito, inclusive em pequenas lojas!


Clima

Como boa parte da Europa, no verão é bem quente e no inverno é bem frio. Nossa ajudei muito né? A realidade é que identifiquei bem a temperatura com Curitiba, entre 40 e 0 graus em Istambul. Fácil, como aqui.



Estive agora no inverno e estava bem frio sim. Durante a viagem ventou bastante, choveu um pouco e também nevou em Istambul e outras cidades que passamos. A sorte foi que nunca estivemos nas cidades durante a chuva e neve, sempre chegávamos um dia depois. Ótimo, né?


A sensação térmica estava bem baixa, muito frio. Pra usar luva, cachecol, gorro e tudo o mais que se tem direito. Dentro dos ambientes é quentinho, então não vá de pijama por baixo hein?


Mulheres

Olha, antes de ir a Turquia muitas pessoas me alertaram sobre mulher andar sozinha e que os turcos ficavam em cima, e claro, tive o cuidado de não me dispersar do grupo e etc, mas olha, sabe que eu não senti isso aí de que mulher não pode ficar sozinha?


Em momento algum me senti observada e coisa do gênero. Uma coisa é que os garçons não olham nos olhos das mulheres, isso deu pra reparar bem, mas em toda a viagem que fizemos, não senti nada de mais com relação ao tratamento e tampouco perigo. Fiquem tranquilas meninas!


Obs.: talvez no verão seja interessante tomar mais cuidado, pois nós usamos roupas mais decotadas do que muçulmanas, né?


Roupas

Falando em mulheres, para entrar nas mesquitas é preciso tirar os sapatos e cobrir pernas (homens e mulheres). Para nós, precisamos cobrir o cabelo também. Nos outros lugares é normal, não há restrição alguma.

Lembre sempre de ir com meias não furadas, hehe e levar uma pashemina na bolsa pra usar nessas horas.




Comida

Na Turquia você come bem e paga pouco. Dá pra comparar bem com os preços daqui e o bom é que a lira vale quase a mesma coisa, então é fácil ter ideia de quanto está gastando. Os doces são incríveis sim, tem muita opção, mas cuidado para pedi-los em restaurantes. Custam uma fortuninha! Nas feiras e lojas de rua são mais em conta.


Lá você vai encontrar 89 mil tipos diferentes de kebab e é tudo muito gostoso. O arroz com maçã também é bem comum, assim como a sopa de ervilha.


Uma coisa interessante é que a Turquia é um grande produtor de avelãs e só quero avisar chocólatras de plantão que tem-nutella-feita-lá-e-em-tudo-que-é-lugar!! Maravilha, não? Eu trouxe um carregamento na mala.



Por outro lado duas coisas me incomodaram na parte alimentícia da viagem. Uma é que refrigerante e bebidas em geral são MUITO caras. Uma latinha de 330ml de Coca (sim, menor que aqui) custa entre 7 e 9 liras, ou seja, R$ 9! As cervejas a mesma coisa, custam cerca de 12 a 15 liras a lata. A outra coisa é que você mal terminou de comer eles já estão retirando os pratos e cobrando. Não dá tempo de respirar, parece que tem medo que a gente vá embora sem pagar, sei lá. Isso me incomodou bastante pra falar a verdade.


Língua

Obviamente a língua lá é turco e não dá pra entender as placas e é difícil pronunciar tudo e qualquer coisa. Porém me surpreendi em como eles estão preparados para receber brasileiros. Todos, eu disse, TODOS os estabelecimentos, de loção a lojinha, as pessoas arriscam um português. Os que falam menos falam o suficiente para conseguir vender os produtos. Não tivemos dificuldade alguma para comunicação por lá. E nos lugares turísticos, rola inglês tranquilo.


Também há muitos guias falando inglês e português lá. Surpreendente, não? E se você for de Curitiba melhor ainda! A cidade é conhecidíssma por eles. Motivo? O Alex, ex jogador do Coxa. Jogou muitos anos em um time de Istambul e é adorado por todos.


Água

Uma coisa que achei ruim lá (ruim no sentido de diferente), foi a água. O tratamento é diferente, e provavelmente também tem alguns químicos para a água não congelar nos canos na época do inverno. Ela deixou a pele SUPER seca, coçando e tudo. Não foi só comigo, todos os outros que estavam na viagem também sentiram. Minha dica é leve creme hidratante. Sei que é um espaço a mais que ocupa na mala e tem que embalar bem pra não vazar, mas olha, vale a pena demais. Eu acabei não levando por preguiça e voltei querendo mergulhar numa piscina de hidratante quando voltei.


Também não é indicado beber água das torneiras, ok?


Banheiros

“Anna, mas por que você está falando de banheiro, não é tudo igual?”

É, nem sempre. Eu já tinha visto esse tipo de banheiro quando fui pra Ásia alguns anos atrás, então não me assustei. Lá na Turquia é comum ter esse banheiro que não tem uma privada e sim um buraco no chão. Inclusive em Istambul, viu? Não só nas cidades menores por onde passamos.


Em alguns estabelecimentos tem as duas opções, a portinha com privada e a portinha com buraco, mas outros não, é só buraco mesmo. Olha meninas, não sei vocês, mas eu nunca sento em privada pública, sempre fico meio de pé e relembrando dos exercícios de agachamento da academia, e por esse motivo nunca sofri muito com o banheiro de buraco. É só fazer a mesma coisa. A diferença é que nessa opção não tem papel higiênico, pois elas limpam de outra forma, a qual não quero me estender por aqui. A dica é sempre ter um pedaço de papel na bolsa ou verificar antes de entrar na casinha.


Quem quiser saber mais sobre esse banheiro e suas técnicas, clica aqui que tem tudo explicadinho passo a passo.


Bem, acho que essas são as dúvidas mais frequentes de quem está indo pra lá. A bem da verdade é que a cultura é super diferente mas é tranquilíssimo viajar pela Turquia. O país está bem preparado para receber brasileiros, há uma facilidade grande com as formas de pagamento e moedas, e em geral a comida é muito boa!



2 visualizações
  • Facebook - Grey Circle
  • Instagram - Grey Circle